Poder para testes de equivalência

O poder de um teste estima qual a probabilidade de que o teste rejeite a hipótese nula se a hipótese nula for realmente falsa. Como a hipótese nula para um teste de equivalência é frequentemente o oposto da hipótese nula do teste t padrão das médias da população, seu poder é expresso diferentemente.

No teste de equivalência, o poder é a probabilidade de que você concluirá que a diferença da população (ou razão) está dentro dos seus limites de equivalência quando ela na verdade está. Se seu teste tiver um poder menor, você pode ter incorretamente concluído que não pode afirmar a equivalência, quando a diferença (ou razão) está, na verdade, dentro dos limites de equivalência.

Os seguintes fatores afetam o poder do teste:
Tamanho amostral
Amostras maiores dão mais poder ao teste.
Diferença
Quando a diferença está próxima do centro dos dois limites de equivalência, o teste tem mais poder.
Desvio padrão
A variabilidade menor dá mais poder ao teste.
Alfa
Valores α maiores dão mais poder ao teste. Entretanto, o α representa a probabilidade do erro tipo I. Por isso, aumentar α aumenta a chance de afirmar a equivalência quando ela não é verdadeira.

Para determinar o poder de um teste de equivalência, selecione Estat > Poder e Tamanho de Amostra > Testes de Equivalência e selecione o teste de equivalência específico que você deseja usar.

Ao usar esse site, você concorda com a utilização de cookies para análises e conteúdo personalizado.  Leia nossa política