O que é um estudo de medição tipo 1?

Um estudo de medição tipo 1 avalia somente a variação que proveniente do medidor. Especificamente, este estudo avalia os efeitos do vício e repetibilidade sobre medições feitas por um operador e uma peça de referência.

Quando eu devo usar um estudo de medição tipo 1?

Use um estudo de medição tipo 1 no início da análise dos seus sistemas de medição, para focar apenas na medição, e não em quaisquer outras fontes de variação. Na realidade, diversas organizações requerem um estudo de medição do tipo 1 como a primeira etapa em uma análise completa do sistema de medição.

Após você certificar o próprio aparelho de medição com um estudo de medição do tipo 1, use as outras ferramentas do estudo de medição do Minitab para ampliar a sua Avaliação do Sistema de Medição (MSA) e considerar outras fontes de variação na medição.

O Minitab mede a repetibilidade com a métrica Cg

Repetibilidade é a capacidade do medidor fazer medições consistentes da mesma peça. Mesmo um medidor capas apresentará alguma variação na medição, mas se ela for muito grande em relação à tolerância da peça, o medidor ser variável demais para a sua finalidade. Por exemplo, se a tolerância para o diâmetro de um cilindro é 5 mm, mas medições repetidas de um cilindro de referência também abrangem 5 mm, você não pode confiar no medidor para determinar se um cilindro está dentro do intervalo de tolerância. A variação das medidas de um medidor deve ser pequena em comparação com a tolerância.

Para avaliar a repetibilidade de um medidor, o Minitab calcula a métrica Cg para comparar a variação estudo (a propagação de medições do medidor), com uma porcentagem da tolerância. Os valores de Cg maiores do que 1,33 indicam que a propagação das medições do medidor é adequadamente estreita em relação ao seu intervalo de tolerância.

Por exemplo, com os valores padrão de K e L, uma métrica Cg de 2 indica que 20% de sua faixa de tolerância vai cobrir toda a propagação de medições duas vezes. Este valor Cg indica a eficácia do medidor dentro deste intervalo de tolerância.

TermoDescrição
Kpercentual de tolerância (20 é o padrão)
sdesvio padrão das medições
Lnúmero de desvios padrão que representa toda a dispersão do processo (6 é o padrão)

O Minitab mede o vício com a métrica Cgk

Além da repetibilidade, o Minitab também avalia o vício de medição, que é a diferença entre a medição da média do medidor e o valor de referência oficial - o valor "verdadeiro" que seu medidor almeja. O Minitab analisa o vício com um teste t da hipótese nula de que não existe vício. Essencialmente, este teste é um teste t de uma amostra para determinar se a média obtida difere de forma significativa do valor de referência. Se existe um vício estatisticamente significativo, você conclui que o seu medidor está medindo consistentemente maior ou menor que o valor correto.

O Minitab também calcula a métrica de capacidade Cgk para avaliar a repetibilidade e vício juntos. A Cgk compara a Variação do estudo com a tolerância, mas ela também considera se as medições estão "no alvo". A Cgk diminui conforme aumenta a diferença entre a medição média do medidor e o valor da referência. Um valor Cgk de 1,33 é um valor comum de benchmark para denotar um medidor capaz - um que é preciso (boa repetibilidade) e exato (vício baixo).

TermoDescrição
Kpercentual de tolerância (20 é o padrão)
Xbarraga média de todas as medições
Xmo valor de referência
sdesvio padrão das medições
Lo número de desvios padrão que você quer para representar metade da dispersão do processo (3 é comum)
Ao usar esse site, você concorda com a utilização de cookies para análises e conteúdo personalizado.  Leia nossa política