Interpretar os principais resultados para Análise de capacidade entre/dentro

Conclua as etapas a seguir para interpretar uma análise de capacidade entre/dentro. Os principais resultados incluem histograma, curvas normais e índices de capacidade.

Etapa 1: Verifique se há problemas nos dados

O seu processo deve estar estável e os dados originais (ou transformados) do processo devem seguir uma distribuição normal. O histograma e as curvas normais ajustadas fornecem uma maneira informal para procurar rapidamente por problemas potenciais.
Importante

Para uma análise mais aprofundada desses requisitos, use Sixpack de capacidade entre/dentro.

Examinar visualmente a distribuição dos dados

Compare a curva contínua global com as barras do histograma para avaliar se seus dados são aproximadamente normais. Se as barras apresentarem muita variação em relação à curva, seus dados poderão não ser normais e as estimativas de capacidade podem não ser confiáveis para o processo. Se os dados parecem não ser normais, use Identificação de distribuição individual para determinar se é necessário transformar os dados ou ajustar uma distribuição não normal para realizar análise de capacidade.

Bom ajuste
Ajuste ruim
Observação

É possível usar a opção de Box-Cox na Análise de capacidade entre/dentro para transformar dados não normais. Para ajustar uma distribuição não-normal aos seus dados, use Análise de capacidade não-normal.

Compare as curvas entre/dentro e globais

Compare a curva contínua global e a curva entre/dentro tracejada para ver quão próximas elas estão alinhadas. Uma diferença substancial entre a curva E/D e a curva global pode indicar que o processo não é estável, ou que o seu processo tem outras fontes de variação além da variação entre/dentro dos subgrupos.Use uma carta de controle para garantir que o processo esteja estável antes de realizar uma análise de capacidade.

Proximamente alinhadas
Mal alinhadas

Etapa 2: Examine o desempenho observado de seu processo

Utilize o histograma de capacidade para examinar visualmente as observações da amostra em relação aos requisitos do processo.

Examine a dispersão do processo

Examine visualmente os dados do histograma em relação aos limites superiores e inferiores da especificação. De maneira ideal, a dispersão dos dados é mais estreita do que a dispersão da especificação, e todos os dados estão dentro dos limites de especificação. Os dados que estão fora dos limites de especificação representam itens fora de conformidade.

Nesse histograma, a dispersão do processo é mais amplo do que a dispersão da especificação, o que sugere a baixa capacidade. Embora a maioria dos dados estejam dentro dos limites de especificação, há itens fora de conformidade abaixo do limite inferior de especificação (LSL) e acima do limite superior de especificação (USL).

Observação

Para determinar o número real de partes defeituosas em seu processo, utilize os resultados para PPM < LSL, PPM > USL e Total de PPM. Para obter mais informações, acesse Todas as estatísticas e gráficos.

Avalie o centro do processo

Avalie se o processo está centralizado entre os limites de especificação ou no valor-alvo, se você tiver um. O centro de dados ocorre no pico da curva de distribuição e é estimado pela média da amostra.

Neste histograma, embora as observações da amostra caiam dentro dos limites de especificação, o pico da curva de distribuição não está centralizada sobre o alvo. A maioria dos dados excede o valor alvo.

Etapa 3: Avaliar a capacidade do processo

Use os principais índices de capacidade para avaliar o quão bem o seu processo atende aos requisitos.

Avalie a capacidade entre/dentro

Use Cpk para avaliar a capacidade entre/dentro de seu processo, considerando tanto a sua localização como a dispersão. Em geral, os valores de Cpk mais elevados indicam um processo mais capaz ao passo que valores mais baixos de Cpk indicam que o processo pode necessitar de melhoria.

  • Compare Cpk a um valor de benchmark que representa o valor mínimo que é aceitável para o seu processo. Diversos setores usam um valor de benchmark de 1,33. Se o Cpk for menor do que o seu valor de benchmark, pense em formas de aprimorar o seu processo, como a redução de sua variação ou mudança de sua localização.

  • Compare Cp e Cpk. Se Cp e Cpk forem aproximadamente iguais, o processo está centralizado entre os limites de especificação. Se Cp e Cpk forem diferentes, o processo não está centralizado.

Resultados principais: Cpk

Para estes dados de processo, Cpk = 1,09. Como Cpk é menor que 1,33, a capacidade entre/dentro do processo não atende aos requisitos do cliente. O processo está sendo executado muito perto do limite inferior. O processo não está centralizado, de modo Cpk não é igual Cp (2,76).

Avaliar a capacidade global

Use Ppk para avaliar a capacidade global do seu processo com base na localização processo na dispersão do processo. A capacidade global indica o desempenho real do seu processo de que o cliente experimenta ao longo do tempo.

Em geral, valores de Ppk mais elevados indicam um processo mais capaz. Os valores mais baixos de Ppk indicam que talvez o processo precise de melhorias.

  • Compare Ppk a um valor de benchmark que representa o valor mínimo que é aceitável para o seu processo. Diversos setores usam um valor de benchmark de 1,33. Se Ppk for menor do que o seu valor de benchmark, pense em formas de aprimorar o seu processo.

  • Compare Pp e Ppk. Se Pp e Ppk forem aproximadamente iguais, o processo está centralizado entre os limites de especificação. Se Pp e Ppk forem diferentes, o processo não está centralizado.

  • Compare Cpk e Ppk. Se Cpk for consideravelmente maior do que Ppk, pode haver outras fontes de variação sistêmica no processo além da variação entre e dentro dos subgrupos. Por exemplo, o desgaste da ferramenta é uma fonte de variação sistêmica que poderia fazer com que um processo de fabricação mostrasse capacidade entre/dentro maior (Cpk) do que a capacidade global (Ppk).
Resultado principal: Ppk

Para estes dados de processo, Ppk = 0,52. Como Ppk é menor que 1,33, a capacidade total do processo não atende aos requisitos do cliente. O processo está centralizado, de modo que Ppk ≈ Pp (0,53). No entanto, Ppk < Cpk (0,72), o que indica que a capacidade global pode ser melhorada se as fontes adicionais de variação do processo sistêmico forem reduzidas ou eliminadas.

Importante

Os índices de Cpk e Ppk medem a capacidade do processo em relação apenas ao limite de especificação que está mais próximo da média do processo. Portanto, estes índices representam apenas um dos lados da curva do processo e não medem como o processo é executado no outro lado da curva do processo. Se o seu processo produz itens fora de conformidade que estejam fora de ambos os limites de especificação inferior e superior, use medidas de capacidade adicionais na saída para avaliar mais detalhadamente o desempenho do processo. Para obter mais informações, acesse Todas as estatísticas e gráficos.

Ao usar esse site, você concorda com a utilização de cookies para análises e conteúdo personalizado.  Leia nossa política